5 dicas para escolher um bom Síndico

A lei é clara: todo Condomínio deve eleger um Síndico! E essa eleição é feita em Assembleia.

Mas em condomínio, como um reflexo da política brasileira, a participação dos condôminos está longe de ser a ideal. Raramente o quorum nas assembleias é grande e a maior parte dos moradores de Condomínio não buscam saber sobre a Gestão Condominial.

Antes de iniciarmos uma breve reflexão, te convido a responder um questionário, bem rapidinho, assim podemos continuar:⇒ https://goo.gl/forms/txGxJrabPzKac4H73 


Chegou a hora de eleger o Síndico… mas em quem votar?

Nem pense em não comparecer à Assembleia! Você ja parou pra pensar em todos os riscos que corre se alguém sem competência for eleito Síndico? É sua propriedade e seu dinheiro que estão em jogo.

O Código Civil e a Convenção Condominial vão legislar sobre a responsabilidade do Síndico. A Gestão do Condomínio é do Síndico e um Conselho Fiscal deve ser eleito. Mas deixar o Síndico fazer a gestão financeira, de manutenções, obras,  etc, sozinho, sem acompanhar é sempre um risco. É triste ver Condomínios que se deterioram, as unidades perdem valor de mercado, perdem garantias (quando novos), ou neles reinam brigas e conflitos. Há também outros riscos como o de ações trabalhistas, processos diversos de moradores e vizinhos, sem contar o desgaste de ver o dinheiro ser utilizado de forma equivocada.

Então não tem outro jeito: pra se ter o sossego de viver num Condomínio que evolui com otimização de recursos e harmonia, tem de participar, em especial elegendo um bom Síndico.

Pra isso, vai algumas dicas na hora de votar:

  1. MOTIVAÇÃO – se o candidato é Síndico Profissional,  não há o que se questionar. O cidadão vive da profissão e busca sempre clientes. Agora, se o candidato for morador, vale estar questionando qual a motivação para exercer o cargo. Em geral, as motivação estão entre contribuir para a melhoria do condomínio ao qual mora, até obter uma renda extra. Repare em como o candidato fala da sua motivação e se esse discurso parece sincero. Muitos candidatos buscam uma visibilidade e poder a qual nunca tiveram, o que coloca o condomínio em perigo pelo “ego” que se terá de lidar. Ouça a motivação e reflita!
  2. EXPERIENCIA – para ser Síndico não há requisitos de formação ou experiencia. Qualquer um pode se candidatar, contudo, peça pra ouvir a história de cada um, suas experiencias e habilidades desenvolvidas. Ser Síndico é lidar com assuntos diversos, dinheiro, manutenções, funcionários, legislação, etc., por isso o Síndico tem de estar bem assessorado. A experiência pode ajudar, mas nunca será garantia de boa atuação.
  3. PLANO DE ATUAÇÃO – assim como os políticos tem planos de governo, o Síndico tem de elaborar uma ideia de como atuar. Com será seu formato de absorção das informações, como encaminhará os assuntos, como atenderá os condôminos. O Síndico Profissional vai ter um padrão de atendimento, o morador, se trabalha fora, tem de encontrar meios de dedicação ao Condomínio, que horários estará disponível, como atenderá prestadores de serviço, com que frequência pensa fazer reuniões e assembleias…
  4. PERSONALIDADE – ser Síndico exige pulso firme e muita paciência. A resiliência é outra característica importante, pois muitas vezes o Síndico é questionado de forma provocativa ou injusta. O Síndico responde sozinho pelo Condomínio, mas como líder, deve representar o interesse dos condôminos e não seus interesses pessoais. O Síndico deve ser um bom comunicador, pois não basta fazer a coisa certa, tem de ligar as pessoas e comunicar ideias.
  5. NEUTRALIDADE – um Síndico deve transitar em todos os grupos, tratar a todos da mesma forma, sem privilegiar alguns e perseguir outros. Portanto, não é positivo para o Condomínio trabalhar com campanhas e “chapas”, deve-se sim buscar candidatos que tenham a visão do todo e hajam com objetividade, sem defender grupos ou “bandeiras”. O Síndico não é funcionário do Condomínio, mas também não pode ter traços autoritários. É sempre bom para o Condomínio ter candidatos que pensem em todos, sem divisões de grupos no Condomínio. Neste item o Síndico Profissional sai na frente, visto que atuará de forma profissional, mas vale a pena promover reuniões de apresentação antes da Assembleia, pois assim sobra tempo pra buscar referências e entender o formato de trabalho.

Enfim, por mais que Assembleia de Condomínio não seja dos compromissos mais prazerosos, é importantíssimo que todos participem, a fim de se eleger bons representantes, Síndico e Conselheiros.

O Condômino é peça fundamental na gestão, todos têm direitos e deveres, mas acima de tudo, busque participar sempre da gestão da sua comunidade!!!

Quer saber mais? Entre em contato conosco, venha tomar um café e conversar sobre Gestão Condominial!

Beatriz Mello #TimeCMPremium